Seção de Atenção Psicossocial dos Trabalhadores - SAPS

WhatsApp Image 2016-10-13 at 11.07.17

Chefe da Seção: Drª Silvia Jardim

 

 

 

A Seção de Atenção Psicossocial está localizada no prédio de ambulatórios do IPUB, no polo UFRJ da Praia Vermelha.

 

Telefone:(21) 3938-5535

 

 

Histórico

 

      O Programa de Atenção à Saúde Mental do Trabalhador (PRASMET UFRJ desenvolveu  pesquisas e ações na área de saúde mental e trabalho, desde 1994, ligado ao Programa Organização do Trabalho e Saúde Mental (OTSAM- IPUB/UFRJ). Em 1998, a partir da aprovação e contratação pela UFRJ de psiquiatras lotados na DVST, atual CPST, foi ampliada a interação e intercâmbio entre as unidades IPUB e DVST (CPST). No decorrer desse trabalho foi identificada a necessidade da criação de um programa de atenção e vigilância em saúde mental dos trabalhadores da UFRJ que pudesse ampliar e qualificar as ações, integrando de forma mais proveitosa os recursos disponíveis em ambas as unidades da Universidade. Sendo assim, foi elaborada a proposta de criação do Polo de Atenção à Saúde Mental dos Trabalhadores (Polo- PRASMET/UFR) com uma equipe multidisciplinar composta por psiquiatras, psicólogos e assistentes sociais, celebrando-se em 28 de março de 2003 a assinatura de um Acordo de Cooperação e Intercambio Técnico-Científico entre Divisão de Saúde de Trabalhador (CPST-PR-4-UFR) UNIDADE SIASS 50/CPST/UFRJ, e o Instituto de Psiquiatria IPUB-UFRJ.

       Cabe ressaltar que com a assinatura deste convênio se ratificou uma assistência que sempre privilegiou a atenção aos servidores da UFRJ, formalizando a vinculação institucional à CPST/UFRJ. Deste modo a equipe multidisciplinar constituída passou a contar, formalmente, com servidores da CPST/UFRJ, garantindo assim, por um lado um corpo assistencial estatutário e, por outro, a submissão deste trabalho a uma direção clínica construída através do percurso do PRASMET.

        O Polo-PRASMET CPST/IPUB/ UFRJ, já recebeu cerca de 1.559 usuários. Esta assistência é sustentada por uma direção que, há 20 (vinte) anos, trabalha com uma interseção entre clínica, ensino e pesquisa, ou seja, além de prestar assistência qualificada aos trabalhadores em grave sofrimento psíquico, visa também uma capacitação continuada dos profissionais que atuam no serviço, assim como a capacitação de profissionais que se interessem por esta prática. Capacitá-los não para se tornarem especialistas em saúde mental do trabalhador, mas sim profissionais que levem em conta e estejam preparados para lidar com o campo da relação entre saúde mental e trabalho.

        Tendo em vista o exposto, ou seja, o pragmatismo de um programa de qualidade a crescente demanda em problemas relacionados à saúde mental e trabalho na UFRJ e a necessidade de ampliação e institucionalização das ações desenvolvidas pelo PRASMET, propôs-se a criação da Seção de Atenção Psicossocial-SAPS.

 

Objetivos da Seção de Atenção Psicossocial - SAPS

 

Geral

       Contemplar a atenção psicossocial ao servidor da UFRJ em uma política de atenção integral ao trabalhador, enfatizado nas ações desenvolvidas a saúde mental em relação à atividade laboral e a atenção à saúde ao servidor público como campo de vigilância em saúde pública e de pesquisa-intervenção, considerando a orientação do decreto fundador do SIASS: "assistência à saúde e prevenção e reabilitação."

 

Específicos

 

 1. colher e avaliar as situações de servidores que apresentem questões relacionadas ao campo da saúde mental e trabalho;

 2. Emitir pareceres e laudos especializados e/ou multidisciplinares em Saúde Mental do Trabalhador e em Atenção Psicossocial, viabilizando e fortalecendo a construção de um campo de diálogo e colaboração entre assistência e perícia em Saúde Mental do trabalhador;

3. Possibilitar a construção de indicadores para intervenção no campo de saúde mental e trabalho na UFRJ a fim de subsidiar ações de promoção e reabilitação;

4. Participar, fomentar, colaborar e desenvolver projetos de pesquisa e extensão no âmbito da Saúde Mental e Trabalho e da Atenção à Saúde Mental dos Trabalhadores e capacitar profissionais para intervenções neste campo.

 

Do Fluxo e do Funcionamento das Ações da Seção de Atenção Psicossocial-SAPS

 

1     Recepção: do acolhimento à discussão do caso.

2    Construção da referência ao serviço

3    A recepção será realizada pelo serviço social e pela psicologia da CPST/SAPS, em entrevista individual.

4    A entrevista pode se realizar na unidade CPST/UFRI ou no IPUB/UFRJ (4 a partir de 13h).

 

A chegada para a recepção na SAPS pode se dar das seguintes formas:

 

 (a) ao passar por um atendimento com os profissionais da CPST estes indicam que seja atendido pela saúde mental

(b) ao passar por Avaliação Funcional a perícia ou o serviço social detectam uma questão de saúde mental e encaminham para a SAPS;

(c) o setor onde o servidor está lotado sugere que o mesmo procure ajuda na CPST para seu problema relacionado à saúde mental;

(d) O servidor, após longo período afastado, solicita retomar o tratamento;

(e) por demanda espontânea, ou seja, o próprio servidor solicita um atendimento na SAPS Cabe ressaltar que este primeiro momento é qualificado como ACOLHIMENTO. O servidor é acolhido e procura-se escutar a questão que o levou a buscar elou a ser encaminhado a SAPS. Portanto, nem todos os servidores que são acolhidos serão assistidos pelo Polo- PRASMET, no entanto, valorizamos que uma REFERENCIA ao serviço possa se estabelecer através da recepção oferecida, ou seja, que o servidor possa nos procurar quando for necessário.

 

Após o ACOLHIMENTO a situação recebida será levada para a REUNIAO TÉCNICA onde ocorrerá:

 

1     Discussão do caso: resolução; encaminhamento ou inclusão na assistência.

           A equipe técnica multidisciplinar da SAPS se reúne, semanalmente, às 4a feiras, de 10:00h às 12:00h, na sala do Programa OTSAM/IPUBUFRJ.

           A discussão clinica dos casos em acompanhamento no serviço, assim como questões institucionais e de formação serão tratadas nesta atividade.

         As entrevistas de ACOLHIMENTO realizadas pelo serviço social são apresentadas e discutidas com a equipe multidisciplinar.

 

Priorizamos a assistência aos casos de maior complexidade.

 

A partir desta discussão o caso poderá:

(a) não ser considerado necessário ou indicado para assistência ou nova avaliação;

(b) ser encaminhado para assistência fora do serviço, mantendo a referência;

(c) seguir em entrevistas de avaliação (pelo serviço social e/ou por psicólogos e/ou psiquiatras) podendo a partir daí ser encaminhado, assistido pelo serviço ou encontrar uma resolução da situação apresentada;

(d) ser inserido no serviço, podendo, segundo a avaliação, ser indicado seu acompanhamento por psicólogo e/ou psiquiatra. Consideramos a complexidade de um caso não exclusivamente a partir do diagnóstico, mas levando em conta a complexidade da situação, dos recursos clínicos e sociais com que é possível contar, da repercussão na vida pessoal e laboral da pessoa atendido na SAPS. 

  

Equipe:

  • Esp. Leonardo Lessa - Psiquiatra
  • Esp. Ivete Calado - Ass. Social
  • Esp. Valéria Gomes – Ass. Social
  • Esp. Cássia Almeida – Ass. Social
  • Mestranda Vanessa Klein - Psicóloga
  • Drª Maria Elisa W. do Couto - Psicóloga
  • Ms. Norma Cavalcanti - Psicóloga
  • Esp. Renata Rozzante - Psicóloga
  • Ms. Vânia Glória Alves – Enfermeira do Trabalho
  • Isabel Reis – Assistente em Administração

 

 

UFRJ CPST - Coordenação de Políticas de Saúde do Trabalhador
Desenvolvido por: TIC/UFRJ